;      
 photo Untitled_zps54f53861.png photo Untitled_zpsa8266951.png photo 59896ba4-f6cf-41bb-bf0a-9d4bf67da557_zps56cbfac1.png photo Untitled_zpsa67acb25.png

SEARCH THIS BLOG

A carregar...

26/01/2015

Personal | Das segundas oportunidades

Gostava de dizer que acredito nas segundas oportunidades e que há pessoas que realmente merecem. Gostava de dizer que já fui magoada por ter dado uma segunda oportunidade a alguém porque isso significaria que eu tenho essa capacidade. Mas a verdade é que não tenho ou, se tenho, nunca a pus em prática até hoje. Houve uma altura em que pensei que aquilo que estava a atravessar com uma amiga fosse um caso que pudesse descambar na conversa que dá título a este post mas não era. Eram birras de miúdas que não tinha mais em que pensar se não chatearem-se por coisas minimas que, na altura, pareciam constituir no fim do mundo. No entanto, nestes últimos anos da minha vida, nos quais acredito ter vivido e aprendido o suficiente para me saber madura e com consciência sobre alguns aspectos da vida, acredito que não houve espaço para segundas oportunidades, principalmente no que toca a pessoas que entram e saem da nossa vida. Uns entram para ficar. Outros, sem sombra de dúvida, ainda bem que não ficam! 

Imagem via Tumblr
Tive uma grande amiga que se separou de mim e do resto do nosso grupo ainda hoje não sabemos bem porquê (desconfiamos, mas não sabemos). Lembrei-me desta treta toda por causa dela, não porque ela me tenha pedido a tal segunda oportunidade mas porque vi uma fotografia e senti saudade. Senti saudade das nossas conversas, das nossas saídas, das nossas aulas, dos nossos sorrisos, dos nossos corações que pareciam tão unidos e indestrutíveis e que, todavia, se revelaram tão ou mais frágeis que castelos de cartas levadas pelo vento. Agora a pergunta: dar-lhe-ia uma segunda oportunidade? Provavelmente não. Porque as coisas nunca voltam a ser o mesmo, porque a confiança tem de ser conquistada apesar de haver a memória daqueles tempos que foram tão bons e que parecia que nos compreendíamos só com o cruzar de um olhar. Porque as expectativas, por mais baixas que sejam, serão sempre defraudadas pelas boas memórias de dias que vivemos e partilhámos.

Se a minha maneira de encarar esta situação é assim, julgo que seja lógico pensar que se alguém me magoar e depois desejar um segunda oportunidade, a minha resposta seja um não irredutível.

Identificam-se com as minhas palavras de alguma forma? Já passaram por alguma situação em que ficaram cara a cara com a terrível situação de dar uma segunda oportunidade a alguém?

Com ,
                         

24/01/2015

New in | Tmart.com


Depois da época de exames (e de todas as cadeiras feitas, yey!) finalmente estou em casa, na terrinha. Assim que cheguei descobri logo que tinha uma coisinha à minha espera da loja on-line Tmart. Fiquei muito desiludida quanto reparei que estes patrocinadores se enganaram no meu número, enviando-me um bem mais pequeno (bem mais!, sou um L/XL e eles enviaram-me um S). Já em relação aos piercings vem tudo direitinho. Não vale a pena ficar muito ansiosa por causa deste look, possivelmente este suposto vestido nem me vai servir como camisola. We will see


Com ,
                         

18/01/2015

Will You? | Tiffany & Homossexualidade

Andava eu a passear pelo meu dashboard do facebook (porque em época de exames é bom é estar agarrada ao computador, a coscuvilhar o facebook) quando me deparei com uma imagem que está a gerar uma certa polémica e que faz parte da mais recente campanha de publicidade da grande loja Tiffany. A imagem, fotografada por Peter Lindbergh, é protagonizada por um casal homossexual, dois homens através dos quais a loja transmite que apoia todos os tipos de amor e que todos eles devem ser celebrados. 

Imagem retirada daqui
A campanha deseja mostrar que o amor acontece de várias formas, disse Linda Buckley, a representante da joalharia. "Hoje em dia o caminho para o casamento já não é linear," disse ela. "Amor verdadeiro pode acontecer mais que uma vez com histórias de amor a acontecer de variadas formas."

Fiquei surpreendida com esta atitude da marca, visto que esta é uma atitude arriscada devido ao preconceito homofóbico que, infelizmente, ainda se vive. Espero muito sinceramente que este tipo de situações aconteçam mais regularmente e que sobrevivam ao repúdio que se construiu à volta da homossexualidade. E, quem sabe, pode ser que venham abrir as mentes dos mais ... conservadores? Não gosto de usar esta palavra porque não me parece adequada. Por vezes, não é uma questão de se ser de uma geração em que casais do mesmo sexo eram uma coisa impensável mas sim uma questão de pura estupidez, como os que estão por trás dos motivos religiosos. Enfim, não vou discutir isso agora. Qual é a vossa opinião sobre todo o assunto? 


Com ,
                         

12/01/2015

Bolo da Caneca

Uma coisa que aprendi quando cheguei à universidade é que em época de exames/avaliações ninguém tem tempo para cozinhar nem ninguém está de dieta. Também aprendi que o desespero é muito e o reconforto vem de poucos sítios. Expondo os motivos (que fazem com que ingerir chocolate em doses industriais não pese tanto na consciência) cá por casa, come-se (muito) bolo da caneca. Rápido, fácil e económico, tem a particularidade de ser extremamente adaptável aos gostos de cada um. 



Este foi feito com azeite, água, farinha de trigo sem fermento e,
em vez de 3 colheres de chocolate, pus 3 colheres de cappucino.
O bolo cresce mas não sai de dentro da caneca.
Bolo (base)
1 Ovo
1 Colher de Azeite ou Óleo (o que preferirem)
3 Colheres de Açúcar 
3 Colheres de Leite ou Água (já experimentei e resulta)
3 Colheres de Chocolate em Pó 
4 Colheres de Farinha (já usei com e sem fermento e não notei diferença no crescimento do bolo. Se colocares 2 colheres de farinha normal e 2 colheres e farinha maizena o bolo fica muito mais fofinho)

Numa caneca, coloca-se o ovo, o azeite/óleo e o açúcar. Mexe-se. Junta o leite/água e o chocolate em pó e volta-se a mexer. Por último, adiciona-se a farinha. Conselho: pôr uma colher de cada vez e mexer sempre muito bem para a mistura não ficar com grumos de farinha. Depois leva-se a caneca ao microondas durante 3 minutos. Sugestão: juntar pedaços de frutas, nozes, amêndoas ou quadradinhos de uma barra de chocolate ao preparado. 

Cobertura
1 Colher de Manteiga
2 Colheres de Leite ou Água ou Natas
Chocolate em pó q.b. 

Coloca-se tudo, ao mesmo tempo, numa caçarola em lume brando, sempre a mexer. O truque da cobertura, para ficar ao gosto de cada um, é ir pondo ingredientes à medida que o doce vai engrossando. Por exemplo, se quero a cobertura mais líquida mas com sabor intenso, adiciono mais água e mais chocolate na mesma proporção, sem nunca deixar de mexer. Atenção: com natas pode-se tornar demasiado enjoativo. 

Introdução aos Estudos Literários torna-se mais fácil com um express cake 

Uma das minhas misturas favoritas é base com frutos vermelhos (compra-se em caixinhas nas secções biológicas de frutas e legumes dos supermercados) e pedaços de chocolate branco... fica muito bom! É preciso é não abusar... 


Com ,
                         

09/01/2015

#JeSuisCharlie

Dia 7 de Janeiro de 2015 foi um dia tumultuoso para França e para todos aqueles que se compadeceram com o ataque ao jornal satírico Charlie Hebdo. Doze pessoas foram assassinadas a sangue frio por fazerem e publicarem cartoons num jornal. A questão que coloco é: estes extremistas estão tão pouco seguros das suas convicções que se sentem ameaçados por desenhos que satirizam as suas crenças? Je Suis Charlie não é apenas demonstração de apoio para com aqueles que sofreram diretamente com o ataque mas é, sobretudo, uma metáfora para a liberdade de expressão que nos querem tirar ao intimidarem-nos com ataques terroristas, com medo de retaliações. Querem tirar-nos aquilo que custou anos e vidas a ser conquistado. 

O meu pensamento está com as famílias que sofreram tamanhas perdas. 

#JeSuisCharlie 

Com ,